Do Fogo e do Vento

Sussurro fresco e cálido
Incendeia.
A fluidez das palavras
Ultrapassa a teia.

 

Sou vulcão, és sereia.
Toda a brasa em que mergulha,
Todo o néctar em que me embebo.
No final, sua doçura
Pura bruma, enlevo em segredo.

 

Por mais distante,
ainda seu canto.
Por mais vibrante o meu desejo
Por mais profundo o meu pranto,
Teu sopro me arde em vida,
Meu fogo te aumenta o encanto.

 

Palavras, já são delitos.
Olhares, faísca e vento.
Nem em sonhos mais bonitos
Ousaria a sua firmeza, certa e fria,
Dar vazão ao meu incêndio.

Sobre o Autor

facebook-profile-picture
Paola Giovana
Gosto de me reinventar, sentir o sabor do novo e das infinitas possibilidades da existência. Tenho tendência ao vício pelas coisas boas, obsessão pelo conhecimento e amor pela arte. Sob o signo de Capricórnio, meu destino é conquistar!

3 Comentários

  • carina on 19 de junho de 2011

    gostei das oposições do texto! muito boa a dualidade dos amantes, que termina em fogo puro! =)

O que você acha disso?