Interpretação I – Vianinha e o Medo – AULA ? – 28/04/2015 – DB05A?

O ritmo de aulas e trabalhos tem sido intenso, portanto os diários abaram por ficar um pouco confusos com relação às datas e detalhes muito específicos de determinadas aulas. Assim, o que for registrado será aquilo que resistiu ao tempo e às falhas da memória.

Texto: “O Meu Corpo a Corpo” – Oduvaldo Vianna Filho

Começamos a aula com a leitura de um artigo de Oduvaldo Vianna Filho, publicado em 1972 na Revista de Teatro. O texto, quase um manifesto, fala sobre a peça “Corpo a Corpo”, do mesmo autor, que estava em cartaz à época, explicitando o posicionamento de Vianinha a respeito do teatro.

De acordo com suas palavras, o teatro deveria ser algo vivo, um espaço para a luta coletiva pela transformação da sociedade. Embora não condene completamente as apresentações abstratas, acredita que é o concreto que mais se aproxima da materialidade e da realidade. Assim, incentiva um teatro que não deixe de contar com as abstrações criativas, mas que as coloque a serviço de uma posição ideológica clara.

Discutimos também sobre a atualidade do texto, mesmo 43 anos após ser publicado, nos marcando a questão sobre o que é o teatro de hoje.

Prática

Na segunda parte da aula retomamos os poemas de Drummond, dando mais expressividade a eles. Foi muito interessante ver como as declamações e as ações se enriqueceram no processo de todos. As características essenciais dos poemas ficaram mais evidentes e deu gosto de se ver/ouvir. Um dos recursos que me marcaram foi o da cena/poema do Hayslan, “Congresso Internacional do Medo”, em que ele ficava de pé na quina entre duas paredes, dando uma sensação de opressão (bem próxima do que sentimos quando estamos com medo) e, ao final, conseguiu nos fazer vê-lo, ainda no mesmo local e na posição vertical, como se estivesse deitado dentro de um caixão.

Sobre o Autor

facebook-profile-picture
Paola Giovana

Gosto de me reinventar, sentir o sabor do novo e das infinitas possibilidades da existência. Tenho tendência ao vício pelas coisas boas, obsessão pelo conhecimento e amor pela arte. Sob o signo de Capricórnio, meu destino é conquistar!

Sem Comentários

O que você acha disso?