Insônia

Acordei chorando ontem. Chorei por tudo aquilo que não fui (por tudo aquilo que não pude ser). É certo que fechei os olhos na tentativa explícita de sonhar. Acreditei que eles, os sonhos, só pudessem ser encontrados naquele estado cego, naquela vertigem que impediria, por fim, o ego de me controlar. Pensei que abria os […]

Desejo

Você tem medo da força do seu desejo, por isso você foge. Você tem medo da forma do seu desejo, por isso você fode. E sempre soube que o que te toca é mais profundo do que a densidade de uma mão. O seu desejo não tem princípio e, eterno, também não tem fim. Não […]

Cachos

Vim colher meus cachos. Eles florescem em suas mãos. Recolho todos os feixes, os fachos de luz frutificando perdão. Não vejo as sobras, as sombras, nem flores murchas no chão. Tudo amadurece e se renova: As flores, os traços, as cores, reflexos luminosos dos meus beijos.   Tudo permanece invariavelmente mutável: A dança sutil da […]

Raio

Como um raio. Era assim que sua presença se anunciava ao redor. Não tinha medo, não tinha pudor. Era um raio. E caía violentamente sobre nossas cabeças, sobre nossos instintos. Instantaneamente causava suor. Seca, brilhante e fulgás. Ela passava e tomava o seu lugar,  cheia de si. De repente, havia só o seu rastro. O […]

Verbo Caído

Nunca vou me esquecer da chuva daquela tarde. Não era apenas ela que caía. Eu também me diluía, gota a gota, carne-viva escorrendo pelas grades dos esgotos. Parecia fácil, não fosse a dor que me tomava a cada gole que a terra bebia impiedosamente, sedentamente, rigorosa. Depois de me atirar em vários moinhos, resolvi não […]