Do Fogo e do Vento

Sussurro fresco e cálido Incendeia. A fluidez das palavras Ultrapassa a teia.   Sou vulcão, és sereia. Toda a brasa em que mergulha, Todo o néctar em que me embebo. No final, sua doçura Pura bruma, enlevo em segredo.   Por mais distante, ainda seu canto. Por mais vibrante o meu desejo Por mais profundo […]

Verbo Caído

Nunca vou me esquecer da chuva daquela tarde. Não era apenas ela que caía. Eu também me diluía, gota a gota, carne-viva escorrendo pelas grades dos esgotos. Parecia fácil, não fosse a dor que me tomava a cada gole que a terra bebia impiedosamente, sedentamente, rigorosa. Depois de me atirar em vários moinhos, resolvi não […]

O Retorno da Palavra

Tenho uma paixão secreta pelas palavras cravadas no papel. Exala delas o cheiro do seu esmalte vermelho vivo, sua rubra cor ao escrever desejos mais que proibidos, desejos meus. Havia muito tempo eu não te via assim tão sóbria, sem aquela aura louca que me convertia em seu brinquedo secreto. Desde a última vez em […]

(Ca)Fé…

“Meu coração vagabundo quer guardar o mundo em mim” Perceber a pureza do puro pó de café calar as coisas, colar os cacos, cansar o cansaço sem esquecer aqueles cigarros as cinzas que eu sou as suas cicatrizes e o resto do belo que alguém já tocou. Entrega Entrego Derramo e devoro. O encontro embaçado […]

Casa Vazia

O que eu vejo é casa vazia casco de caracol. Há quanto tempo você partiu e não me avisou? Eu tentando sozinha. Eu e seu holograma. A atração se desfez, estou fora da sua órbita. E agora? Tem seu próprio sistema. Pra mim, qualquer coisa que sobra. Recolho meus cacos, minhas coisas, abraços, roupas e […]

Estranha

Como é difícil olhar pra si sem artifícios. Enxergar as sombras que se ocultam por detrás de nossos joelhos, o desejo amarrado por entre os dentes… Ás vezes é impossível mesmo através do espelho. Ele não reflete a dor, a orgia dos pensamentos indefinidos, a delicadeza que fura o peito. Minhas entranhas têm rimas estranhas […]

Encouraçado Viajante

De que adianta tocar o coração de um viajante, se no próximo instante ele veleja e se posta distante? Deve ser sempre roubada roubar o coração de um viajante. Ah, se eu fosse marinheiro! Sei que velejarias no meu barco sem âncora e aportarias em qualquer cais. Mas o que interessa, viajante, são as ondas, […]

Partida

Ela passou com os olhos marejados, rareando os passos para ver se o tempo passava mais lento. Não havia ainda sinal de partida, nenhum aceno de adeus. Despedia-se de um prédio vazio. A memória cheia de pessoas que ainda não haviam partido. Era a primeira a descobrir que as paredes asfixiavam, que os abraços prendiam […]

Asas

Olho para a vitrine: há asas, mas só se pode comprá-las com o suor de uma vida. De olhos fechados, então, imagino para onde iria se estas asas, se estas asas fossem minhas. Abro os olhos. Alguém mais abastado levou embora o par, enquanto eu imaginava voar pelas ilhas. Uma pena, coitado, aqui só se […]

MANIFESTO DAS PAIXÕES INDEVIDAS (INVISÍVEIS)

Apaixone-se pelo mais difícil. Pode ter certeza que a pessoa estará sempre presente (ao menos no seu pensamento). Confie no seu corpo. Pernas bambas, olhares desviantes, coração na boca, fala tremida, variações de temperatura e estômago revirado são sinais mais imediatos, que precedem a aceitação consciente da cilada. Certifique-se de que elx não está solteirx. […]

Interpretação I – Vianinha e o Medo – AULA ? – 28/04/2015 – DB05A?

O ritmo de aulas e trabalhos tem sido intenso, portanto os diários abaram por ficar um pouco confusos com relação às datas e detalhes muito específicos de determinadas aulas. Assim, o que for registrado será aquilo que resistiu ao tempo e às falhas da memória. Texto: “O Meu Corpo a Corpo” – Oduvaldo Vianna Filho […]

Proposta de Direção – As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant / 1º Ensaio – Fundamentos de Direção – DB05E01

Para este Diário de Bordo aproveitarei a proposta de direção que já foi entregue ao professor. Nela falo sobre a escolha do texto, o primeiro ensaio e as ideias iniciais, além de mencionar alguns fundamentos teóricos nos quais pretendo me aprofundar ao longo do processo. A imagem do post foi retirada do site Alt Screen. […]

Imagens (dramática ou cômica) e Gramelô – Fundamentos de Direção – 08/04/2015 – DB04A06

Imagens dramáticas ou cômicas Nesta aula trabalhamos com imagens dramáticas ou cômicas, a exemplo do que fizemos na aula de Interpretação I. De acordo com o professor, estes exercícios têm como referência o trabalho de Viola Spolin na área dos jogos teatrais e do improviso. Levei a mesma imagem da aula de Interpretação I, pois […]

Drummond, subtexto e Sartre – Interpretação I – 07/04/2015 – DB04A06

Drummond A proposta do dia foi diferente do que já havíamos feito até então. Deveríamos ter decorado um poema de Carlos Drummond de Andrade à nossa escolha. Acabei tendo que escolher o meu durante a própria aula, pois embora o professor tenha nos avisado da tarefa por email não consegui tempo suficiente para fazer isto […]